Segunda-feira
27 de Junho de 2022 - 

Controle de Processos

Newsletter

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
Espanha 0% . . . .
França 0,43% . . . .
Japão 1,86% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .

Endereço

Av. Francisco Pereira de Castro , 425 ,ADVOCACIA
Anhangabaú
CEP: 13208-110
Jundiaí / SP
+55 (11) 45230101+55 (11) 959518924

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,23 5,23
EURO 5,51 5,52

Perícia oficial prevalece sobre documentos emitidos por médico do réu

Se a perícia oficial concluir que um réu não está acometido por doença grave permanente, mas os documentos apresentados pela defesa indicam o contrário, deve prevalecer o atestado oficial.STF mantém decisão que negou indulto a Paulo MalufJanine Morais/Agência CâmaraAssim, com base no voto do relator, ministro Luiz Edson Fachin, o Plenário do Supremo Tribunal Federal negou, por maioria, recurso da defesa de Paulo Maluf contra decisão de Fachin que havia negado indulto humanitário ao ex-governador e ex-prefeito de São Paulo. A votação foi encerrada em sessão virtual no último dia 20 de maio.Maluf cumpre penas impostas pelo Supremo em duas Ações Penais (AP 863 e 968), por lavagem de dinheiro e crime eleitoral. Ele está em prisão domiciliar humanitária desde 2018.A defesa do ex-governador havia requerido a extinção da punibilidade do crime eleitoral referente à AP 968 pelo reconhecimento do direito ao indulto, nos termos do Decreto 10.590/2020. O argumento apresentado foi o de que suas condições de saúde se enquadram entre as enfermidades descritas no ato presidencial — no caso, paraplegia e doença grave.O ministro Fachin negou o pedido, por entender que, de acordo com o laudo oficial, Maluf não tem doença grave permanente, nos termos exigidos pelo decreto presidencial.Ao recorrer da decisão, a defesa argumentou que o exame médico oficial teria deixado de levar em consideração aspectos obrigatórios para o diagnóstico de doença degenerativa decorrente do envelhecimento e deixou de abordar as conclusões dos laudos particulares apresentados pela defesa.Segundo o relator do caso, os documentos trazidos pela defesa de Maluf trazem informações não oficiais, emitidas por profissionais da confiança do paciente, no exercício privado de suas atividades, o que contraria exigência expressa no decreto.Fachin ressaltou que, embora o laudo pericial ateste o comprometimento funcional irreversível de Maluf devido a doenças e o processo degenerativo de envelhecimento, a análise não inclui a alegada paraplegia.Em relação a enfermidades crônicas cujo tratamento é contraindicado no ambiente prisional, Fachin lembrou que sua decisão monocrática manteve a prisão domiciliar humanitária assegurada desde 2018. Portanto, não há razão para afastar o laudo firmado por três peritos oficiais.Ficaram vencidos os ministros Dias Toffoli e André Mendonça, que votaram pelo provimento do recurso para conceder o indulto. De acordo com Toffoli, laudos, pareceres e exames médicos mostram que Maluf é portador de doença grave e permanente que exige cuidados contínuos que não poderiam ser ministrados em uma prisão. Com informações da assessoria de imprensa do Supremo Tribunal FederalFonte Conjur
© 2022 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  246199
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.